Eficiência Hospitalista e Hospital Unimed Pelotas inovam para promover qualidade e segurança aos pacientes

Implementação de protocolos gerenciados busca otimizar os processos assistenciais

Mais uma atuação da Eficiência Hospitalista – Soluções em Saúde junto ao Hospital Unimed Pelotas (HUP) quer garantir a qualidade e segurança aos pacientes do município e região. No mês de outubro, a empresa iniciou a implementação do projeto Protocolos Gerenciados. Uma iniciativa inovadora para otimizar os processos assistenciais no Pronto Atendimento, Centro Cirúrgico e Internação, em busca dos melhores resultados clínicos.

Após uma avaliação detalhada sobre as necessidades e expectativas do hospital, os Protocolos são definidos e implantados. Dessa forma, visam sistematizar a atuação dos profissionais para um atendimento padronizado. Sempre com qualidade e segurança aos pacientes, minimizando a variabilidade das condutas assistenciais.

E o seu gerenciamento, ou seja, a análise crítica dos indicadores com vistas a melhoria contínua, se dá a partir de informações coletadas via software desenvolvido pela empresa UpFlux. A start up de mineração de dados vem atuando em conjunto com a Eficiência Hospitalista desde julho, em um diferenciado projeto de gestão em saúde.

>> Leia mais sobre o trabalho da Eficiência Hospitalista e UpFlux

imagem de várias pessoas falando sobre qualidade e segurança aos pacientes
Evento on-line garantiu o treinamento da equipe do hospital, com a participação dos gestores do HUP
Parceria

Para a administradora assistencial na Unimed Pelotas, Laura Berquo, a mais nova parceria com a Eficiência Hospitalista reforça as diretrizes da instituição. “O nosso objetivo é oferecer atendimento qualificado aos pacientes”, destaca.
Desde que o hospital abriu as portas, há pouco mais de um ano, a EH já realizou a implementação da metodologia Lean no Bloco Cirúrgico e vem atuando com o Telehospitalista, projeto de telemedicina na unidade de internação de pacientes clínicos.

>> Telehospitalista ajuda a otimizar os processos assistenciais no Hospital Unimed Pelotas

O CEO da Eficiência Hospitalista, o médico André Wajner, ressalta que a escolha do hospital em dar início ao projeto comprova o caráter inovador da instituição. “A Unimed Pelotas tem apostado no nosso trabalho há mais de um ano. Portanto, ao investir em soluções de ponta no gerenciamento da saúde, naturalmente, obtém os melhores resultados ao longo do processo”, enfatiza.

Como funciona

A enfermeira consultora da EH, Cassiana Prates, explica que os protocolos gerenciados nada mais são do que preceitos assistenciais com monitoramento contínuo dos indicadores de qualidade da prática clínica. Como resultado, se espera uma redução de mortalidade e de permanência hospitalar, com o aumento do giro de leitos.

De acordo com Cassiana, os protocolos são diretrizes baseadas em condutas clínicas validadas cientificamente e têm contribuído para sistematizar a atuação dos profissionais no atendimento ao paciente. “Com isso é possível orientar um trabalho padronizado, qualificando a assistência e minimizando a variação dos cuidados prestados”, afirma.

Cassiana, que é especialista em Gestão Hospitalar e em Segurança do Paciente, acredita que a implementação de protocolos gerenciados tanto previne como evita problemas futuros. “A ideia da ferramenta é que ela possa servir de auxílio na tomada de decisão. Com benefícios em termos de qualidade e segurança tanto para pacientes quanto para os profissionais de saúde”, diz.

Protocolos definidos

Com o diagnóstico realizado pela equipe da Eficiência Hospitalista, foram definidos protocolos que contemplam as principais áreas da instituição. São eles: o Protocolo de Dor Torácica (1) para o Pronto Atendimento, o de Antibioticoprofilaxia Cirúrgica (2) para o Centro Cirúrgico, e o Protocolo de Tromboembolismo Venoso (3) para a Internação.

Para o Protocolo 1 já foi elaborado um documento com embasamento teórico, um fluxograma para auxílio na decisão clínica, bem como realizado o treinamento das equipes médica e de enfermagem. Agora, acontece a fase de ajustes no sistema informatizado para dar início ao monitoramento dos indicadores, assim como análise crítica e planos de melhoria.

Em paralelo, o Protocolo 2 já está em andamento, na fase de elaboração do fluxograma. Sendo que o Protocolo de Tromboembolismo está programado para iniciar em janeiro de 2021.

E para que tudo ocorra da melhor forma possível, a comunicação é um fator crítico de sucesso. Por isso, são realizadas reuniões semanais para discutir e acompanhar as ações estabelecidas entre a empresa e as equipes do Hospital Unimed Pelotas.

“Chegamos nesses três protocolos após análise dos dados do hospital e da discussão com a direção, que tem sido sempre muito presente. Sem falar que a equipe multidisciplinar é muito engajada nesse projeto”, reforça a consultora da EH.

Os protocolos gerenciados podem melhorar em muito o desfecho do atendimento e salvar vidas

Salvar vidas

Segundo a coordenadora Pronto Atendimento, Centro Clínico e SOS Unimed Pelotas, a médica Kátia Lanzetta Haack, as equipes têm se dedicado ao projeto, com o objetivo de melhorar a assistência prestada. “Os protocolos gerenciados podem melhorar em muito o desfecho do atendimento e salvar vidas”, reitera.

O cardiologista Fernando Reis, que atua no PA do hospital, salienta que as ferramentas são de extrema importância na agilidade dos processos assistenciais e no tratamento precoce de pacientes graves. “Conseguir identificar pacientes de alto risco é fundamental para a qualidade do nosso serviço”, relata.

…vejo isso como um marco na Unimed Pelotas para qualificar o atendimento

Marco no atendimento

O diretor de Serviços Próprios da Unimed Pelotas, o anestesiologista Paulo Mattos, acredita que a iniciativa de implementar protocolos gerenciados é uma oportunidade de tornar a experiência do paciente a melhor possível. “É muito gratificante ter a EH como parceira. E estamos muito motivados, pois eu vejo isso como um marco na Unimed Pelotas para qualificar o atendimento”, afirma.

Para a vice-presidente da Unimed Pelotas, a médica Susane Passos, as novas ferramentas oferecem segurança para o profissional que está na ponta da assistência. “Com minha experiência em pronto atendimento, sei que isso proporciona melhorias no trabalho da equipe e na assistência. Como gestora, vejo na ferramenta uma aliada para reduzir custos e, o mais importante, sem abrir mão da qualidade.”, destaca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://eficienciahospitalar.com.br/wp-content/uploads/2018/11/publicacoes.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 400px;}